27 de agosto de 2007

1973 a 1979 - Pérolas da Isabel

Oi, Ricardo!
Já mandei essas fotos? Acho que não, né?
Outra coisa: esqueci de comentar que naquela época apesar de ser Capaverde, meu sobrenome por parte de mãe, ele era apenas um " C." no meu nome. Eu era Isabel Oliveira, ou melhor, Isabel Cristina C. de Oliveira.
Só passei a usar o Capaverde quando me tornei jornalista.
Meu pai foi aluno dorense e meu avô um militante da Associação de Pais. Significa que nas Dores sou parte do clã dos Oliveira. Bem mais tarde, nos 90, minha irmã -15 anos mais nova que eu, o nenê da casa - também estudou lá.
Sobre as fotos, elas estão identificadas com ano e ocasião em que foram tiradas.
Só não me arrisco e dizer quem é quem.
Bjs

Isabel


1973 - Time de basquete




1973 - 5ª Série A





1979 - Último dia de aula

2 comentários:

Anônimo disse...

Caro Ricardo,

venho recebendo com regularidade informações enviadas por ti do centenário do colégio. Como só estudei 2 anos (2ª e 3ª série 2º grau), não me sentia "ligado" o suficiente à história dorense. Mas hoje, ao ver as listas de chamada de 1979 e a foto do último dia de aula não pude resistir (em que não apareço, exceto se não sou capaz de me reconhecer!). É muito bom lembrar os antigos colegas e momentos vividos lá nas Dores. Não vou me estender, mas vou identificar pessoas na foto.
Lá atrás, fazendo um V, o Riberto Marques Fraga (gente muito fina!), um pouco abaixo, cabelo comprido, cara de índio e camisa azul, o César Rolan Pereira. Abaixo dele, um pouco à direita, com o braço esquerdo envolvendo o colega ao lado, o Luiz de Mello Venâncio (grande pessoa, corretíssimo, irmão de um grande amigo e de muitos ex-dorenses, o saudoso Betinho. Não sei se era fato, mas o boato é de que o Luiz havia lido dicionários e enciclopédias por inteiro - esta estória corria desde o tempo em que éramos colegas no Paula Soares/Pio XII). Ao lado dele (direito) a figurinha carimbada do Lessa. Bem no centro, abaixo de um colega todo de preto, camisa com listras largas e um sorriso o José Salgado. De pé, camisa verde o Edilson Prola Fº. Sentado, camisa branca, aberta ao peito e com uns óculos maneiríssimos, o Fernando Delgado ("se achando"). Embaixo, claro, o Emilião.
Alguns eu reconheci "de cara". Outros, eu acho que reconheci, portanto ... Foto maravilhosa, sinto por não estar presente. Realmente seria muito bom saber o que houve com todo este pessoal. Nos últimos anos, fora o Lessa e o Luiz, que vi pouquíssimas vezes, não sei de mais ninguém.

Um grande abraço e obrigado por estas lembranças

Darci Cardoso

Anônimo disse...

Darci, Ricardo e demais colegas.
Foi com surpresa que encontrei esse blog, e foi com emoção e muita alegria que li tudo o que pude, vi as fotos, e relembrei um bocado de coisas do meu passado dorense.
Passado que não me abandona nunca, visto que estou casado até hoje com outra dorense, a Dedéia, uma das pioneiras da primeira turma feminina das Dores, e que conheci no pátio do colégio. Como o meu pai já havia estudado nas Dores, e os meus dois filhos também estudaram (o Pedro e a Mariana), posso me considerar de uma dinastia dorense.
Andei remexendo algumas caixas de fotos antigas lá em casa e achei algumas preciosidades, desde a turma do meu pai (que deve ser década de 30 ou 40) até fotos das turmas de 78 (do Betinho, meu irmão) e de 79 (a minha). Assim que puder vou postar algumas aqui.
Se alguns dos ex-colegas meus e da Dedéia lerem esse meu post, entrem em contato.
Um abraço.
Luiz Venancio
venancio@gmx.com